Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Histórico > Uncategorised > O 1º Comandante
Início do conteúdo da página

O 1º Comandante

Escrito por 2º Ten Saraiva | Publicado: Terça, 26 de Setembro de 2023, 11h22 | Última atualização em Sexta, 05 de Janeiro de 2024, 11h51 | Acessos: 289

O PRIMEIRO COMANDANTE 

 

 

 

             VICTORINO JOSÉ CARNEIRO MONTEIRO- BARÃO DE SÃO BORJA nasceu em Recife-PE, no ano de 1817, filho do Major João Francisco Carneiro Monteiro e D. Isabel Rosa Carneiro Monteiro.

            Como estudante, se voluntariou para combater algumas revoltas em Pernambuco, Guerras de Panelas, Miranda e Jacuípe, durante a Regência, quando foi gravemente ferido em 1832. Foi eleito alferes e promovido até o posto de capitão da Guarda Nacional.

            Casou-se com D. Benevenuta Amália Carneiro Monteiro, filha do Marechal Bento Manoel Ribeiro, e tiveram como filhos, Florêncio Ribeiro Carneiro MonteiroJoão Ribeiro Carneiro MonteiroSeverino Ribeiro Carneiro MonteiroVictorino Ribeiro Carneiro MonteiroMaria Amália Ribeiro Carneiro Monteiro e Bento Manoel Ribeiro Carneiro Monteiro.

            No Exército Imperial, sentou praça em 20 de agosto de 1838, quando foi declarado Alferes.  Promovido  ao posto de 1º tenente em 2 de dezembro de 1839, ao de capitão em 18 de julho de 1841, ao de major em 19 de junho de 1852 e ao de tenente-coronel em 15 de julho de 1854. No início da Guerra era coronel desde 2 de dezembro de 1857. Foi promovido por merecimento em 22 de janeiro de 1867 ao posto de Brigadeiro, por bravura na Batalha de Tuiuti. Ainda durante a Guerra, ascendeu a marechal-de-campo em 11 de dezembro de 1867. Após a Guerra, atingiu o posto final de tenente-general, em 27 de junho de 1877, totalizando 40 anos de serviço.

            Serviu no 5º BC, 6º BC, 2º Rgt Cav Ligeira, comandou o  4º RC, a 6ª DI, o 1º e o 2º Corpos de Exército e foi comandante das Armas das Províncias de Pernambuco e do Rio Grande do Sul.

            Combateu na Revolução Farroupilha como integrante do 5º BC, inicialmente como capitão da Guarda Nacional, depois como oficial do Exército Imperial, de novembro de 1837 a maio de 1845. Prosseguiu na campanha contra Oribe e Rosas e na Guerra da Tríplice Aliança.

            Foi condecorado com a medalha da campanha do Uruguai, medalha da campanha do Paraguai, Medalha do Mérito por bravura, Ordem de São Bento de Aviz: Grão-Cruz e Ordem da Rosa: Grande Dignatário.

             Recebeu os títulos de nobreza de Barão de São Borja em 18 de maio de 1870 e de Fidalgo Cavaleiro da Casa Imperial, em 22 de maio do mesmo ano.

Faleceu em 24 de outubro de 1877, apenas 4 meses depois de sua promoção ao último posto.

            Seu filho, Victorino Ribeiro Carneiro Monteiro, advogado, nascido em Alegrete no ano de 1859, foi deputado federal e senador pelo RS, vice-presidente do Estado e governador por um breve período, entre os anos de 1890 e 1920. A rua General Vitorino, no Centro Histórico de Porto Alegre, foi nomeada em sua homenagem.

            Seu filho, Bento Manoel Ribeiro Carneiro Monteiro, foi prefeito da cidade do Rio de Janeiro, cidade esta que o homenageou com um bairro, o de Bento Ribeiro na Zona Norte.

            Seu filho, Severino Ribeiro Carneiro Monteiro, foi deputado geral pelo RS.